Os desafios da indústria 4.0 no Brasil

Esta nova era da indústria 4.0 permite fundir o mundo físico, digital e biológico ao utilizar diversos tipos de soluções inovadoras, como análise de dados (big data), cibersegurança, computação em nuvem (cloud computing), integração horizontal e vertical de sistemas de gestão, inteligência artificial, Internet das Coisas (IoT), manufatura aditiva e híbrida (impressão em 3D), modularização (sistema dividido em módulos), realidade aumentada, robótica e virtualização (simulação computacional).

Os reflexos destas tecnologias vão além dos ganhos de produtividade no chão de fábrica, a revolução industrial 4.0 permite encurtar o prazo de lançamento de produtos, flexibilizar as linhas de produção e ainda utilizar recursos com mais eficiência.

Segundo levantamento da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a estimativa anual de redução de custos industriais no Brasil, a partir da migração da indústria para o conceito 4.0, será de, no mínimo, R$ 73 bilhões/ano.

É uma grande oportunidade para que as empresas possam se manter competitivas neste mercado cada vez mais global, porém há uma grande jornada a ser percorrida no país para alcançar a Indústria 4.0.

Uma pesquisa realizada pela Fiesp apontou que 32% das empresas entrevistadas não tinham ouvido falar nos termos quarta revolução industrial, indústria 4.0 ou manufatura avançada.

Já um levantamento realizado pelo Projeto Indústria 2027, iniciativa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), em parceria com os institutos de economia das universidades Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Estadual de Campinas (Unicamp), mostrou que 21,8% das indústrias projetam ter o processo produtivo totalmente digitalizado até 2027, um grande salto, pois em 2017 apenas 1,6% das empresas ouvidas afirmaram operar com a indústria 4.0.

Veja alguns dos desafios para que a indústria nacional possa acelerar a adoção da indústria 4.0:

  • Desenvolvimento de fornecedores;
  • Criação de mecanismos para induzir a adoção das novas tecnologias;
  • Fortalecimento dos instrumentos de apoio ao desenvolvimento tecnológico;
  • Ampliação e melhoria da infraestrutura de banda larga e rede móvel;
  • Aspectos regulatórios para fomentar a inovação tecnológica;
  • Formação de recursos humanos com elevado nível de conhecimento técnico e capacidade de interação em diversas áreas de conhecimento;
  • Articulação coordenada entre os atores que atuam direta e indiretamente com os temas ligados à digitalização da economia.

 

Na 7ª RM VALE TI você terá a oportunidade de participar desta revolução industrial. Participe!

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email